Fim do Namoro para Jovens Católicos

Fim do Namoro – Como superar o fim do namoro?

Fim do Namoro, como passar por esse momento de mudança

Fim do Namoro – “ Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine (…)7 O amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.8 (…) 10 Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado (…)13 Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor. ( 1 Coríntios, 13)”

Ahh… O amor! Há tempos ele tem sido alvo nos temas de músicas, nos versos dos poetas e nas declarações públicas de afeto. Essa palavrinha tão pequena , tem um significado enorme e não é tão fácil de ser descrita. Quando o amor acontece, junto ao turbilhão de emoções da adolescência , tudo se torna muito mais intenso. O início das relações amorosas estão diretamente ligadas a esse período. Começam as pressões dos amigos para o primeiro beijo, surgem as paixões platônicas, o namoro e ainda, a descoberta da sexualidade. Amar, pode se tornar sinônimo de muitas expectativas, desejos e fantasias . Não é incomum, juras de amor eterno ou, a idealização de se viver um conto de fadas, digno de Walt Disney.

Fim do Namoro para Jovens Católicos

OS RELACIONAMENTOS NA ATUALIDADE:

Cada vez mais, se percebe que relações se dão de forma muito diversa. Com o fim do namoro, perdeu-se um pouco do seu “encanto” de antigamente, quando os casais namoravam por cartas e bilhetes, se encantavam um pelo outro e se beijavam com os olhos sem ao menos se tocar, ou seja, quando se vivia o tempo de espera de cada etapa. O que se percebe hoje, são relações cada vez mais rápidas e voláteis , amadurecidas a força, pelos excessos da sociedade e da mídia. Pessoas têm sido substituídas com a mesma velocidade que os objetos, como se fossem um modelo antigo de celular, pronto para ser facilmente descartado, após a compra do um novo. Não há mais tempo para reparos, consertos, para uma conversa, a fim de refletir e debater sobre o relacionamento.

COMO SUPERAR A FASE DO FIM DO NAMORO?

E quando já se fez várias tentativas para fazer o namoro dar certo e você percebe que por mais que isso lhe doa, não vale a pena insistir nessa relação. O que fazer?
Nesse momento, é importante lembrar: Para que você está namorando!? Se seu desejo é construir uma relação estável e duradoura, pense se o rapaz ou a moça, de fato, vai de encontro às caraterísticas da pessoa que você quer ao seu lado. Lembre- se que, pior do que o fim do namoro, é se casar com a pessoa errada. A dor gerada pelo fim de uma relação, por mais antagônico que pareça, pode lhe ajudar a amadurecer e a descobrir o quanto você é forte para superar isso.
Namorar é muito mais que escolher alguém por aparência ou atração física. É claro que esses itens despertam certo interesse, mas não sustentam uma relação. O namoro é um tempo necessário para descobrir se, é com essa pessoa que você quer passar um bom tempo de sua vida, com suas qualidades, mas também seus defeitos. Percebendo assim, o quanto disso você suporta. Pense que, são mundos diferentes se encontrando, formas diferentes de criação e que inevitavelmente, precisarão passar por ajustes. Como diz o professor Felipe Aquino, “o namoro é o melhor momento para um divórcio”. Namorar significa fazer escolhas conscientes que vão além de sentimentos e emoções. É preciso perceber, o quanto a outra pessoa contribui para que você se torne um ser humano melhor, ressaltando seus valores, seu caráter e lhe ajudando na busca de seus objetivos na vida.

Se mesmo assim você acha que está ficando deprimido, leia Como Superar a Depressão na Adolescência. Clique Aqui!

O QUE FAZER COM O SOFRIMENTO DO FIM DO NAMORO?

Segundo pesquisadores da Neurociência, áreas cerebrais são ativadas provocando dor, semelhante a uma ferida ou queimadura, quando se perde alguém que se ama. Podem ser notadas alterações orgânicas, como por exemplo, o aumento do “hormônio do estresse”, cortisol. O sofrimento, pode sim gerar dor física e psicológica. Podemos dizer portanto que, quando a relação chega ao fim, vivemos um processo de luto, no sentido de quebra das expectativas depositadas no outro e da morte de um sentimento que agora deverá ser resignificado.
Durante esse período, chore o que for necessário, mas entenda que, para que a pessoa certa entre em sua vida, você precisa tirar as erradas. Estar em uma relação simplesmente para não ficar sozinho, é mentir para si mesmo. Talvez, esse seja um momento importante para que possa entrar em contato consigo mesmo. Pare de ocupar esse lugar do “ enxergar-se”, com pessoas que não comungam do mesmo ideal de vida que você. Estar sozinho , não é ser solitário! Aprenda a namorar a si mesmo, descobrir o que você tem de melhor, outra pessoa não poderá fazer isso por você. Redescubra seus amigos, conecte-se com Deus, pratique esportes, faça algo novo por você …busque o melhor! Não tenha pressa de colocar alguém nesse lugar, tudo acontecerá no momento oportuno. Viemos ao mundo para sermos felizes e qualquer ideia contrária a essa, não pode ser uma verdade em sua existência.
Enfim, é preciso coragem para romper uma relação e não acomodar-se aquilo que não te faz bem. Entenda que mais importa que ter intimidade , paixão e compromisso com o outro , é preciso que tenha primeiro com você. O tempo de namoro, construído através da admiração ,do respeito e da reciprocidade , se torna muito mais sólido. Você tem a vida inteira pela frente, a adolescência é só o começo de um mundo novo que lhe espera! Seja feliz!

Um abraço!
Ana Carolina de Paiva Lima

Sobre Rodrigo Sá

Morador do Rio de Janeiro, Católico Apostólico Romano até de baixo d'água, devoto de São Bento e fundador do site JovensCatólicos.com.br. \o/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *